Investigação

Biomateriais para regeneração óssea e inibição de adesão bacteriana
19-08-2018

O projeto NoMIC2Bone, coordenado pela empresa Fluidinova S.A., dedica-se à produção de tecnologias para desenvolvimento de estruturas que serão utilizadas em cirurgias dentárias e ortopédicas. O Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) está envolvido neste projeto que visa, sobretudo, a conceção de novos biomateriais para regeneração óssea e com capacidade de inibir a adesão bacteriana.

Verificam-se inúmeras situações em que o paciente é portador de um defeito ou carência de osso. Por isso, nos últimos anos, os desenvolvimentos na medicina regenerativa baseados em engenharia de tecidos impulsionaram o interesse por técnicas que coloquem o paciente como primeiro obreiro na reparação e construção do tecido ósseo.

O NoMIC2Bone vai produzir materiais mais eficazes para o tratamento de defeitos ósseos de dimensões acima da crítica, associados a trauma ou doenças e com caraterísticas antibacterianas. Estes materiais vão permitir uma redução do risco e dos custos económicos elevados associados ao desenvolvimento de infeções após implantação cirúrgica”, explica Susana Sousa, docente do Departamento de Engenharia Química do ISEP e investigadora do Instituto Nacional de Engenharia Biomédica, Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (INEB|i3S).

As mais-valias deste projeto estão ligadas à produção de “biomateriais para scaffolds de regeneração de osso, com capacidade de preenchimento otimizado de espaços de defeito ósseo, de osteoindução e de inibição de adesão de bactérias. As caraterísticas deste material permitem que possa ser mantido em stock por longos períodos sem risco de degradação, o que é um fator extremamente importante do ponto de vista industrial e comercial”, acrescenta.

O NoMIC2Bone está ainda relacionado com o desenvolvimento de estruturas sob a forma de esponjas porosas bioativas e a sua grande capacidade de funcionalização com macromoléculas específicas. O ISEP, coordena os trabalhos de conceção e caraterização em termos do comportamento in vitro e ensaios pré-clínicos de biocompósitos com propriedades antimicrobianas (Hidroxiapatite/MgO).

O projeto é financiado através do Programa Norte 2020 num total de 480,784.09 € e conta, além do ISEP, com parceria com o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), e da empresa Fluidinova, com a colaboração da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e, ainda, do Instituto Politécnico de Bragança (IPB).