Outro

Descentralização dos destinos como desafio ao desenvolvimento
08-03-2016
Secretária_de_Estado_do_Turismo.jpg

A estreita ligação entre o Turismo e a Engenharia, bem como a necessidade da descentralização dos destinos turísticos foram alguns dos assuntos abordados durante a intervenção da Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, no âmbito da iniciativa “A Engenharia como Motor do Turismo”, que decorreu no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), no passado dia 3 de março.

Com o Auditório Magno do ISEP repleto, a governante foi a primeira dos oradores-convidados a tomar a palavra. Sob o tema “Os Desafios do Turismo para o Desenvolvimento do País”, Ana Mendes Godinho começou por evidenciar os excelentes resultados do setor turístico, atribuindo especial destaque à região Norte. No seu entender, a evolução positiva recentemente registada deve-se, sobretudo, aos “fortes investimentos, que envolvem atividades estratégicas, seja no ambiente, transportes ou cultura”, fruto de um trabalho profundo tanto do setor público como do privado.

Segundo a Secretária de Estado do Turismo, um dos maiores desafios que se impõem ao desenvolvimento do setor em Portugal respeita à diminuição das assimetrias regionais e à entrada definitiva do País nos mapas mundiais do Turismo. Para isso, é preponderante que se efetive “a entrada dos céus ao low cost, a diversificação dos mercados e o arrancar da desconcentração dos destinos turísticos”.

No seu discurso, Ana Mendes Godinho apelou também ao desenvolvimento de plataformas e sistemas, tendo em vista a melhoria da comunicação com os turistas, sendo que a este nível a Engenharia assume um papel fundamental. «É importante desenvolver plataformas para referenciação dos destinos portugueses e trabalhar em rede, para posicionamento do mercado”, sublinhou. Outro dos objetivos passa pela disponibilização de serviços wi-fi gratuitos nas zonas históricas.

No final do encontro que reuniu personalidade influentes das áreas em debate, a Secretária de Estado declarou: “É sempre bom discutir para encontrarmos soluções. Aqui também foi de alguma forma útil lançar o repto para que todos nós consigamos pensar fora da caixa, tentar participar neste movimento coletivo que é o simplex, de transformar a nossa sociedade numa mais simples, eliminando as regras que não fazem sentido. Desta forma, a vida dos cidadãos e das empresas pode ser facilitada, sem os entraves burocráticos que muitas vezes complicam o dia-a-dia.”

O evento “A Engenharia como Motor do Turismo” está inserido no ciclo de conferências “Engenharia em Movimento”. A próxima sessão intitulada “Smart Grides, Smart Cities” está prevista para o final do próximo mês de abril.