tit

par

ver[-]
  • MESTRADOS ISEP: CANDIDATURAS 2014

    Com 11 mestrados, o ISEP assume um compromisso com a especialização de profissionais de engenharia e inovação. Segunda fase de candidaturas: 25 de agosto - 1 de setembro.

    Com 11 mestrados, o ISEP assume um compromisso com a especialização de profissionais de engenharia e inovação. Segunda fase de candidaturas: 25 de agosto - 1 de setembro.

    O Instituto Superior de Engenharia do Porto é uma marca portuguesa de sucesso no ensino e inovação em engenharia. O nosso compromisso com o futuro passa pela especialização de profissionais com um forte perfil empreendedor e uma visão global de oportunidade.

    Os nossos 11 mestrados destinam-se a pessoas ambiciosas, dinâmicas e exigentes, que acreditam que a inovação e a criatividade podem moldar o futuro. Engenheiros interessados em contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade mais inteligente, inclusiva e sustentável. Profissionais motivados pela promessa de que a engenharia move o mundo e cria oportunidades.

    MESTRADOS ISEP
    Energias Sustentáveis
    Engenharia Civil
    Engenharia de Computação e Instrumentação Médica
    Engenharia Eletrotécnica e de Computadores*
    Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia*
    Engenharia Geotécnica e Geoambiente**
    Engenharia Informática*
    Engenharia de Instrumentação e Metrologia
    Engenharia Mecânica
    Engenharia Química*
    Matemática Aplicada à Engenharia e às Finanças


    *Certificação de qualidade OE+EUR-ACE concluída
    **Certificação de qualidade OE+EUR-ACE em curso
    2 anos (120 ECTS)
    Horários pós-laborais
    Possibilidade de desenvolvimento do projeto final junto de um dos 10 grupos de investigação do ISEP ou numa das empresas parceiras.

    «No ensino politécnico, o ciclo de estudos de mestrado deve assegurar predominantemente a aquisição de uma especialização de natureza profissional.»
    Direção Geral do Ensino Superior

    «A nossa oferta de mestrados alia uma elevada componente prática à vasta experiência do corpo docente para preparar os estudantes para novas realidades e desafios regionais, nacionais e internacionais. É por isso que se apresentam como uma mais-valia para um percurso profissional na engenharia».
    Eduarda Pinto Ferreira, presidente do Conselho Pedagógico

    A velocidade do desenvolvimento tecnológico coloca uma pressão adicional nos profissionais ligados à engenharia. A formação contínua, através da frequência de cursos de qualidade, é fundamental para manter ou aumentar a competitividade, empregabilidade ou condições salariais, inclusive num contexto internacional».
    Maria João Viamonte, vice-presidente do Conselho Técnico-Científico

    A certificação de qualidade OE+EUR-ACE comprova a qualidade dos cursos e diplomados no panorama europeu, abrindo oportunidades de internacionalização.

    2ª FASE DE CANDIDATURAS
    25 de agosto - 1 de setembro de 2014
    www.isep.ipp.pt/mestrados

    +INFO: Gabinete de Pós-Graduação

    ver[+]
  • VIRTUAL SIGN VAI REVOLUCIONAR A INCLUSÃO DIGITAL DE PESSOAS SURDAS

    Investigadores do GILT desenvolvem proposta inovadora na área da inclusão inteligente. O projeto do grupo de investigação do ISEP pretende apoiar a comunicação com surdos e deficientes auditivos.

    Investigadores do Instituto Superior de Engenharia do Porto desenvolvem projeto inovador na área da inclusão inteligente. O projeto do grupo de investigação Graphics, Interaction and Learning Technologies (GILT) pretende apoiar a comunicação com surdos e deficientes auditivos.

    “Criar condições para uma maior inclusão social para surdos”. Foi este o desafio que uma equipa de investigadores do ISEP se propôs a resolver através do projeto Virtual Sign. Este projeto coordenado pela equipa do ISEP desenvolveu um modelo para facilitar o acesso de surdos a conteúdos digitais, em particular os conteúdos educativos.

    Trata-se de um tradutor em tempo real e bidirecional, que aproveita mais-valias da engenharia para cruzar potencialidades da inovação tenológica com a escrita e a Língua Gestual Portuguesa. Para os investigadores do GILT, esta proposta pode «revolucionar a comunicação com pessoas surdas em escolas, museus e outros locais, colocando a tecnologia ao serviço da comunidade».

    O Virtual Sign recorre a uma luva com sensores e à tecnologia Kinect, mas incorpora também um jogo didático para ensinar linguagem gestual. Três anos depois da sua aprovação, o Virtual Sign está agora em fase de implementação.

    «A quantidade de conteúdos digitais educativos especificamente produzidos para a comunidade surda é muito escassa, para não dizer nula. No nosso dia-a-dia, nas aulas, deparamo-nos, muitas vezes, com estudantes que têm essas dificuldades e não temos ferramentas para lhes dar o devido apoio. O Virtual Sign facilita o acesso desta comunidade a qualquer recurso digital criando as condições para uma resposta mais eficaz», adianta Paula Escudeiro, a mentora do projeto.

    Coordenado pelo ISEP, o Virtual Sign foi apoiado em 100 mil euros pela Fundação Ciência e Tecnologia (FCT) e integrou investigadores do ISEP, Universidade do Porto, Universidade Aberta e uma especialista em linguagem gestual.

    A Língua Gestual Portuguesa tem tido um crescimento notável, estimando-se que a comunidade de surdos e deficientes auditivos represente hoje perto de 150.000 pessoas em Portugal.

    ver[+]
  • MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DE TEMPERATURA DE UM TERRÁRIO NO ZOO DA MAIA

    Projeto da licenciatura em Engenharia de Instrumentação e Metrologia apresenta solução para monitorização de um terrário de répteis. O estudo de Pedro Santos foi desenvolvido junto do Zoo da Maia.

    Projeto final da licenciatura em Engenharia de Instrumentação e Metrologia apresenta solução para monitorização e controlo da temperatura de um terrário de répteis. O estudo de Pedro Santos foi desenvolvido ao abrigo da unidade curricular de projeto/estágio junto do Zoo da Maia.

    A monitorização e o controlo da temperatura dos animais que vivem nos reptilários de jardins zoológicos são determinantes para a sobrevivência e reprodução dessas espécies. Partindo deste desafio, Pedro Santos desenvolveu um protótipo que implementa mais-valias da engenharia.

    «O protótipo desenvolvido integra um termístor NTC, como elemento sensor, e um microcontrolador Arduino para aquisição e controlo, sendo encapsulado no interior de uma caixa estanque para resistir às condições de humidade. Foram também desenvolvidas uma base de dados e uma interface web com o MySQL para permitir a aquisição remota, manipulação e visualização dos dados em tabelas ou gráficos», indica o jovem engenheiro de Instrumentação e Metrologia do ISEP.

    Pensado e desenvolvido no ISEP, o sistema foi calibrado no Laboratório de Metrologia da Temperatura, do Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalomecânica (CATIM) e implementado num terrário de répteis do Zoo da Maia, onde monitorizou a temperatura durante duas semanas.

    «Os valores de temperatura encontraram-se dentro do intervalo ideal para a espécie de cobra Real da Califórnia (22 a 32 graus Celsius), obtendo-se uma média de 27,0˚C, uma temperatura mínima registada de 24,7˚C e uma máxima de 29,4˚C», refere Pedro Santos.

    Apesar desta tecnologia ter validado a temperatura, permitiu detetar um grande ciclo de aquecimento/arrefecimento ao longo de cada dia (aproximadamente 4ºC). ESTAS variações podem influenciar o comportamento e saúde dos animais e não eram conhecidas.

    «Com a monitorização implementada, os técnicos do Zoo da Maia poderão avaliar e controlar melhor a temperatura dos vários terrários e das incubadoras de répteis, anfíbios e de algumas aves, melhorando a qualidade de vida e a reprodução dos animais. A flexibilidade do sistema desenvolvido permite ainda a sua aplicação a outros locais, como clínicas veterinárias, estufas, biotérios e aquários», destaca Pedro Santos.

    O protocolo estabelecido com o ISEP representou a primeira parceria do Zoo da Maia com uma escola de engenharia. Pedro Santos encontra-se atualmente a frequentar o mestrado em Engenharia de Instrumentação e Metrologia.

    ver[+]
  • VICE-PRESIDENTE DO ISEP RECEBE MEDALHA LATINO-AMERICANA DE MÉRITO ACADÉMICO

    O vice-presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, José Carlos Quadrado, foi galardoado com a medalha de mérito académico atribuída pela Latin American and Caribbean Consortium of Engineering Institutions.

    O vice-presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, José Carlos Quadrado, foi galardoado com a medalha de mérito académico atribuída pela Latin American and Caribbean Consortium of Engineering Institutions (LACCEI).

    A LACCEI é uma instituição sem fins lucrativos que reúne instituições de ensino em engenharia da América Latina, Europa e Estados Unidos da América que anualmente distingue uma personalidade do mundo académico. Em 2014 distingue um dos atuais vice-presidentes do ISEP pelo seu trabalho desenvolvido em prol da melhoria do ensino da engenharia em todo o mundo e em particular na América Latina e nas Caraíbas.

    O seu trabalho incluiu o apoio à criação das Sociedades de Ensino de Engenharia na Bolívia, Equador, Costa Rica, Quirguistão e Uzbequistão.

    Presidindo atualmente à International Federation of Engineering Education Societies (IFEES), José Carlos Quadrado desempenhou vários cargos de direção em sociedades de engenharia e de educação em engenharia, destacando-se ainda pelos vários projetos desenvolvido nas áreas de energia renovável, células de combustível, veículos elétricos e controle inteligente.

    O currículo revela ainda ser detentor de várias patentes e vencedor de alguns prémios técnicos internacionais. No âmbito da LACCEI, desenvolveu workshops de formação de gestão estratégica para reitores e de liderança em instituições de ensino superior, com certificação IGLU.

    Desde 2014, José Carlos Quadrado é vice-presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, onde assume o pelouro da internacionalização, juntamente com a vice-presidente Joana Sampaio.

    ver[+]
  • VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA EM ATERROS SANITÁRIOS

    Mestrando do ISEP defendeu estudo que aponta potencialidades dos depósitos de lixo para produção energética. A dissertação do mestrado em Engenharia Eletrotécnica - Sistemas Elétricos de Energia foi desenvolvida por Alfredo Verónico Silva junto da Suldouro.

    Mestrando do Instituto Superior de Engenharia do Porto defendeu estudo que aponta potencialidades dos depósitos de lixo para produção energética. A dissertação do mestrado em Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia foi desenvolvida por Alfredo Verónico Silva junto da Suldouro.

    «Ao longo dos tempos, o lixo urbano havia sido tratado como um problema, quase exclusivamente, sanitário. Queimá-lo ou depositá-lo o mais longe possível das cidades era a solução encontrada. Atualmente, as medidas sanitárias de controlo de esgotos e lixos permitiram grandes melhorias nas condições de saúde pública das populações, através da construção dos aterros sanitários, que para além de depósitos de lixo, são importantes instalações de produção de energia.

    A energia proveniente do biogás dos aterros sanitários, produção de eletricidade a partir do biogás resultante da decomposição da matéria orgânica depositada em aterro, ganha importância nas políticas de geração de energia a partir de biomassa e outras fontes de energia renováveis, visto que podem reduzir o consumo de combustíveis fósseis.

    Neste princípio, enquadra-se a maximização destes aproveitamentos energéticos, com recurso a equipamentos baseados no Ciclo Orgânico de Rankine (ORC), que permitem aproveitar o calor dos gases de exaustão dos grupos motogeradores, que de outra forma seriam desperdiçados.

    O estudo desenvolvido foi aplicado à central de valorização energética da Suldouro, em Sermonde, que produz eletricidade a partir do biogás resultante da decomposição da matéria orgânica depositada em aterro. O biogás é utilizado como combustível para os motogeradores utilizados para o seu aproveitamento energético, sendo que apenas cerca de 40% do potencial energético contido no biogás é transformado em eletricidade, registando-se perdas sobretudo nas emissões dos gases de exaustão e na água de arrefecimento dos motores.

    Neste trabalho, foi estudada a maximização da valorização energética do aterro sanitário, através da recuperação energética dos gases de escape, atuando no desempenho termodinâmico do ciclo Orgânico de Rankine.

    A utilização dos sistemas ORC e os seus benefícios não se esgotam na maximização dos aproveitamentos da valorização energética em aterros sanitários. Também a recuperação de calor para a produção de energia elétrica pode ter um impacto importante em muitos setores intensivos de energia, contribuindo significativamente para a redução do consumo e aumentando a eficiência de todo o processo de produção.

    Este trabalho deixa em aberto o estudo da viabilidade desta tecnologia noutros aproveitamentos energéticos nomeadamente, na energia solar, energia biomassa, energia geotérmica e no aproveitamento do calor proveniente de ciclos de produção que estão intrinsecamente caraterizados por quantidades significativas de energia térmica dos resíduos contidos nos gases de combustão do processo».

    O mestrado em Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia especializa profissões de engenharia nas áreas das energias renováveis, gestão empresarial, projetos de instalações elétricas e tecnologias associadas à gigantesca indústria dos sistemas elétricos de energia.

    ver[+]
  • DIA ABERTO: ESPECIAL PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

    O ISEP promoveu no dia 27 de junho a primeira edição da sessão de esclarecimento para pais e encarregados de educação de candidatos a cursos de engenharia. O evento serviu para confirmar as potencialidades de uma opção por engenharia e apresentou mais-valias da formação ISEP.

    O Instituto Superior de Engenharia do Porto promoveu no dia 27 de junho a primeira edição da sessão de esclarecimento para pais e encarregados de educação de candidatos a cursos de engenharia. O evento serviu para confirmar as potencialidades de uma opção por engenharia e apresentou mais-valias da formação ISEP.

    O Dia Aberto Especial Pais e Encarregados de Educação contou com a presença de participantes vindos do Porto, Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Penafiel e dos distritos de Braga e Aveiro. Esta primeira iniciativa incluiu apresentações do ISEP e o testemunho de um antigo aluno, Paulo Calçada, fundador da EuroCloud Portugal e colaborador da Câmara Municipal do Porto, tendo primado pela interação.

    «Ensino prático, Prestígio, Ação, Cativante, Ciência, Crescimento, Engenharia, Engenharia Informática, Ensino, Futuro, Inovação, Método de ensino, Profissional, Qualidade» foram as principais ideias que a assistência identificou com o ISEP.

    O Instituto Superior de Engenharia do Porto é uma escola inovadora, empreendedora e criativa. Desde 1852 que formamos profissionais para lidarem com o futuro.

    Formação com certificação de qualidade europeia OE+EUR-ACE
    Orientação para o mundo-real e forte ligação às empresas
    Perspetivas de carreira em áreas com elevado potencial
    Integração em redes de investigação e desenvolvimento internacionais
    Localização no maior pólo universitário do Porto

    Em 2013, o ISEP recebeu mais de duas mil candidaturas às suas 11 licenciaturas. Prestígio, qualidade e perspetivas de futuro ajudam a perceber porquê.

    ISEP: 11 OPÇÕES COM FUTURO
    Engenharia Civil
    Engenharia de Computação e Instrumentação Médica
    Engenharia Eletrotécnica e de Computadores
    Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia
    Engenharia Geotécnica e Geoambiente
    Engenharia Informática
    Engenharia de Instrumentação e Metrologia
    Engenharia Mecânica
    Engenharia Mecânica Automóvel
    Engenharia Química
    Engenharia de Sistemas

    Para esclarecimentos sobre uma candidatura aos cursos do ISEP, por favor contacte-nos.

    ver[+]
  • ISEP E INSTITUTO TECNOLÓGICO DE PUEBLA INICIAM PARCERIA

    O ISEP assinou um protocolo com o Instituto Tecnológico de Puebla, que permite intercâmbios com a escola mexicana. Esta parceria abre oportunidades para futuros engenheiros do ISEP junto de um mercado do G20.

    O presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Rocha, assinou um protocolo com o Instituto Tecnológico de Puebla, que vai permitir o intercâmbio de estudantes com a escola mexicana. Esta parceria abre oportunidades para futuros engenheiros portugueses junto de um mercado do G20.

    Localizado no Heroica Puebla de Zaragoza, o Instituto Tecnológico de Pueblo apresenta-se como uma instituição com profunda dedicação académica e fortes impactos no desenvolvimento regional de Puebla ao longo dos últimos 40 anos.

    «En nuestras aulas se han formado ya más de 18,000 profesionistas que cubren espacios productivos en áreas del conocimiento prioritarias en cada uno de los distintos clusters manufactureros y de servicios que hacen sobresalir a nuestra comunidad poblana aún a escala mundial».

    Fundado em 1972, o Instituto Tecnológico de Puebla «fue la primera y más aún, la única institución de educación superior poblana que ha obtenido de manera continua durante siete ocasiones el Reconocimiento a la Excelencia Académica, otorgado por la Secretaría de Educación Pública a las instituciones que mantienen el 100% de sus programas académicos acreditados por organismos externos».

    «El compromiso con la equidad, la calidad y el medio ambiente; son fundamentales en nuestra cultura organizacional de tal forma que nuestros procesos están recertificados bajo la norma ISO 9001:2008, operamos el Modelo de equidad de género y estamos listos para certificarnos bajo la norma ISO 14001:2004, motivo por el cual el campus institucional es un espacio verde que invita a la actividad académica plena a nuestros  5380 estudiantes y 430 trabajadores», refere a página instituicional.

    Em paralelo, o ISEP apresentou igualmente a sua admissão à Associação Iberoamenricana de Instituições de Ensino de Engenharia (ASIBEI).

    «El Instituto es una entidad pública de ingeniería de Portugal con 162 años de existencia y desea pertenecer a ASIBEI por el liderazgo que se tiene en educación en ingeniería. Puesta a consideración la solicitud, el Comité aprueba la admisión del ISEP a partir de la fecha, con las obligaciones y derechos que le asisten como nuevo socio», avança a ASIBEI.

    ver[+]
  • TOMADA DE POSSE DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO

    Os novos membros do Conselho Técnico-Científico do Instituto Superior de Engenharia do Porto tomaram posse no dia 3 de julho, em cerimónia presidida pela presidente do Instituto Politécnico do Porto, Rosário Gambôa.

    Os novos membros do Conselho Técnico-Científico do Instituto Superior de Engenharia do Porto tomaram posse no dia 3 de julho, em cerimónia presidida pela presidente do Instituto Politécnico do Porto, Rosário Gambôa.

    O CTC é constituído por vinte e cinco membros, 18 docentes, cinco representantes dos grupos de investigação e um representante dos centros de prestação de serviços e pelo presidente do ISEP, que preside igualmente a este órgão. O mandato é de dois anos.

    De acordo com os estatutos do ISEP, cabe ao CTC, entre outras responsabilidades, «apreciar o plano de atividades científicas e de ensino do ISEP; aprovar os planos de estudos; propor ou pronunciar-se sobre a concessão de títulos ou distinções honoríficas, prémios escolares e acordos internacionais».

    DOCENTES
    Ana Almeida
    Maria João Meireles
    Olga Paiva
    António Vega
    Eduardo Silva
    Alcinda Barreiras
    João Paulo Meixedo
    Fernando Ferreira
    Berta Baptista
    Roque Brandão
    Joaquim Alves
    Cristina Delerue Matos
    José Matos
    Paula Viana
    Paulo Sousa
    Miguel Pinho
    Arcelina Marques
    Goreti Sales

    INVESTIGADORES
    Eduardo Tovar
    Simone Morais
    António Ramos
    Goreti Marreiros
    Luiz Faria

    CENTROS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
    José Augusto Fernandes

    PRESIDENTE
    João Rocha

    ver[+]
  • TOMADA DE POSSE DO CONSELHO PEDAGÓGICO

    O Conselho Pedagógico do Instituto Superior de Engenharia do Porto tomou posse no dia 3 de julho, em cerimónia presidida pela presidente do Instituto Politécnico do Porto, Rosário Gambôa.

    O Conselho Pedagógico do Instituto Superior de Engenharia do Porto tomou posse no dia 3 de julho, em cerimónia presidida pela presidente do Instituto Politécnico do Porto, Rosário Gambôa.

    O Conselho Pedagógico é constituído por 12 representantes do corpo docente e 12 representantes dos estudantes, sendo o mandato de dois anos.

    De acordo com os estatutos do ISEP, cabe ao Conselho Pedagógico, entre outras responsabilidades, «pronunciar-se sobre as orientações pedagógicas e os métodos de ensino e de avaliação; promover a realização de inquéritos regulares ao desempenho pedagógico do ISEP e a sua análise e divulgação; promover a realização da avaliação do desempenho pedagógico dos docentes, por estes e pelos estudantes, e a sua análise e divulgação; aprovar o regulamento de avaliação do aproveitamento dos estudantes; pronunciar-se sobre a criação de ciclos de estudos e sobre os respetivos planos; e sobre a instituição de prémios escolares».

    DOCENTES
    Ana Almeida
    António Vega
    Carlos Ramos
    Fernando Ferreira
    Isabel Jesus
    José Sousa
    Cristina Ribeiro
    Eduarda Pinto Ferreira
    Maria João Raposo
    Maria João Meireles
    Olga Castro
    Paulo Silva

    ESTUDANTES
    Paulo Santos
    Artur Soares
    Marco Vergueira
    Pedro Pinheiro
    João Azevedo
    Andreia Brandão
    Vítor Rodrigues
    Miguel Simões
    Ricardo Barros
    Ana Anjos
    Bruno Pereira
    Jorge Freitas

    ver[+]
  • CIDEM NO ECCM-WCCM-ECFD 2014

    Jorge Magalhães Mendes, investigador no Centro de Investigação e Desenvolvimento em Engenharia Mecânica, apresenta a comunicação “Multiobjective Optimization of Time-cost Using a Multi-mode Genetic Algorithm”, no congresso internacional de Barcelona.

    Jorge Magalhães Mendes, investigador no Centro de Investigação e Desenvolvimento em Engenharia Mecânica (CIDEM) e professor no Departamento de Engenharia Civil (DEC), apresenta a comunicação “Multiobjective Optimization of Time-cost Using a Multi-mode Genetic Algorithm”, no congresso internacional que agrega os “11th. World Congress on Computational Mechanics (WCCM XI), 5th. European Conference on Computational Mechanics (ECCM V) e o 6th. European Conference on Computational Fluid Dynamics (ECFD VI)”.

    Este congresso internacional é organizado conjuntamente pela International Association for Computational Mechanics (IACM) e pela European Community on Computational Methods in Applied Sciences (ECCOMAS), realizando-se de 20 a 25 de julho, em Barcelona.

    Jorge Magalhães Mendes organiza, com David Greiner, docente da Universidade de Las Palmas, o simpósio “MS022: Evolutionary Algorithms and Metaheuristics in Civil Engineering and Construction Management”.

    O principal objetivo deste simpósio é reunir investigadores e gerar interesse em serem apresentados papers sobre novas abordagens no campo de algoritmos evolutivos e metaheurísticas em engenharia civil e gestão da construção.

    Na área de conteúdo de engenharia civil pretendem-se papers relacionados com a conceção estrutural/robust design (por exemplo: betão armado e estruturas metálicas), geotecnia, hidráulica, e infraestruturas, entre outros.

    Na área de conteúdo de gestão da construção pretendem-se papers relacionados com planeamento, programação, coordenação e controle de projetos/obras, nas vertentes de custos e de tempo, entre outros.

    «É expectável que o congresso seja um fórum para se comunicar e compartilhar novas ideias e métodos que promovam o desenvolvimento dos métodos computacionais e as suas aplicações nas diversas áreas das ciências aplicadas e da engenharia», refere Jorge Magalhães Mendes.

    ver[+]
  • INTERNATIONAL CONGRESS ON WATER, WASTE AND ENERGY MANAGEMENT

    O Instituto Superior de Engenharia do Porto recebe o International Congress on Water, Waste and Energy Management, entre 16-18 de julho de 2014.

    O Instituto Superior de Engenharia do Porto recebe o International Congress on Water, Waste and Energy Management, entre 16-18 de julho de 2014. Este encontro internacional pretende reunir académicos e investigadores para apresentar projetos e resultados da gestão de águas, resíduos e energia e debater tendências futuras.

    «We believe that we must rethink, personally, institutionally and corporately, the management that we make of the water we use, the waste we generate and the energy that we have available. That’s why we have created this congress and this fair, that we hope can be part of our contribution for a more efficient use of this resources».

    O International Congress on Water, Waste and Energy Management é um evento aberto a empresas e organizações públicas e privadas e inclui a exposição de produtos e serviços inovadores.

    PROGRAMA

    ver[+]
  • CURSO DE VERÃO ENGINEERING FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT

    O ISEP organiza a 2ª edição do curso internacional de verão - Engineering for Sustainable Development (E4SD), entre os dias 14 e 25 de julho.

    Integrado no âmbito da estratégia de internacionalização da presidência do ISEP, este curso responde a um desafio colocado por universidades da Coreia e resulta de uma colaboração entre as duas maiores escolas de Engenharia do ensino superior politécnico nacional, o ISEP e o ISEL.

    “Engineering for Sustainable Development” é uma formação ministrada integralmente em língua inglesa por docentes do ISEP e do ISEL, onde serão abordados um conjunto de temas sobre a Sustentabilidade aplicada à Engenharia, dos quais destacamos:

    Engenharia para uma Sociedade Sustentável
    Análise de Decisão Aplicada à Sustentabilidade
    Inovação e Tecnologia
    Sustentabilidade na Gestão de Projetos
    Análise de Risco
    Ética e Políticas Publicas numa Sociedade Global
    Desenho Sustentável do Produto
    Materiais e Processos para uma Engenharia Sustentável
    Energia de Fontes Renováveis
    Análise de Redes para Gestão da Sustentabilidade.

    Recorrendo à metodologia de aprendizagem baseada em análise de problemas (Problem Based Learning, PBL), este curso de verão terá como tema central a reabilitação sustentável de cidades históricas. A cidade do Porto, classificada pela UNESCO como Património Mundial, será alvo de estudo de um grupo de oito estudantes coreanos e oito estudantes do ISEP, que explorarão o tema da sustentabilidade aplicada a cada uma das áreas de intervenção da engenharia.

    No final de duas semanas de trabalho intensivo, cada um dos grupos constituídos por estudantes coreanos e estudantes do ISEP apresentará propostas concretas ao desafio da reabilitação sustentável para a cidade do Porto.

    A multidisciplinaridade e abrangência do problema, bem como a heterogeneidade cultural dos estudantes participantes, a comunicação numa língua que não a materna, a pesquisa e análise de informação constituem simultaneamente desafios e oportunidades para o desenvolvimento de competências pessoais e valorização do percurso académico dos estudantes participantes.

    Esta é mais uma iniciativa  que se insere no âmbito da politica de internacionalização do ISEP.

    Informações: nsc@isep.ipp.pt
     

    ver[+]
  • QUADRO VIRTUAL: MELHORIA CONTÍNUA DIÁRIA

    Finalista da licenciatura em Engenharia Informática desenvolve projeto final junto da SONAE. O objetivo do estudo de Humberto Filipe Brandão Moreira foi apoiar a implementação da metodologia Kaizen na gestão das equipas de trabalho, de modo a incentivar a melhoria contínua e a procura constante da excelência.

    Finalista da licenciatura em Engenharia Informática desenvolve projeto final junto da SONAE. O objetivo do estudo de Humberto Filipe Brandão Moreira foi apoiar a implementação da metodologia Kaizen na gestão das equipas de trabalho, de modo a incentivar a melhoria contínua e a procura constante da excelência.

    O projeto Quadro Virtual – Melhoria Contínua Diária pretendeu auxiliar a implementação da metodologia Kaizen na gestão do trabalho diário das equipas do departamento de recursos humanos da SONAE.

    «Esta metodologia assenta sobre o conceito de melhoria contínua, incentivando à procura constante da excelência. A sua implementação estrutura-se em quatro níveis, recorrendo, cada um deles, a ferramentas específicas para a obtenção do objetivo pretendido», refere Paulo Proença, professor que orientou o trabalho.

    «No primeiro nível da metodologia são abordadas as reuniões e os quadros de equipa, apoiados em suportes físicos, com o objetivo de incentivar os intervenientes a “falar e gerir com dados”. É neste contexto que surgiu a ideia de criar um quadro virtual que, à semelhança do quadro físico, permita registar toda a atividade das equipas, com a vantagem de consolidar indicadores de forma automática e permitir o acesso a todos os elementos de equipas geograficamente dispersas», acrescenta.

    A solução desenvolvida disponibiliza uma plataforma Web colaborativa, que permite o registo de projetos, tarefas, agendamentos, oportunidades de melhoria, armazenamento de documentação partilhada, produção e impressão de indicadores de desempenho da equipa.

    «Os objetivos propostos foram integramente cumpridos», destaca ainda o professor do ISEP.

    «A aceitação do cliente excedeu em muito as espectativas iniciais, existindo a intenção de disponibilizar a ferramenta a todas as equipas do departamento com diferentes níveis de profundidade e foi também identificado um conjunto de oportunidades de melhoria que serão implementadas em versões futuras», indica Paulo Proença.

    «Por outro lado, a direção de sistemas de informação demonstrou interesse em conhecer a ferramenta desenvolvida e, eventualmente, criar uma versão adaptada à sua realidade e necessidades», conclui o orientador do projeto.

    LICENCIATURA EM ENGENHARIA INFORMÁTICA
    http://issuu.com/isep/docs/isep.2014.lei

    ver[+]
  • MUSEU DO ISEP: DESTAQUE DO MÊS

    No mês de julho destacamos um Modelo de Máquina a Vapor com distribuição de gavetas ordinárias. É um modelo didático utilizado para demonstrar o funcionamento de uma máquina a vapor.

    No mês de julho destacamos um Modelo de Máquina a Vapor com distribuição de gavetas ordinárias. É um modelo didático utilizado para demonstrar o funcionamento de uma máquina a vapor.
    A máquina a vapor ou motor a vapor produzia energia através do vapor de água e consequentemente gerava movimento aos engenhos agregados a este mecanismo.
     

    ver[+]

Notícias
arrow

JÁ FIZESTE A TUA ESCOLHA? NO ISEP, TEMOS 11 OPÇÕES COM FUTURO

O Instituto Superior de Engenharia do Porto lança os votos de sucesso académico a todos os candidatos ao ensino superior. Temos 845 vagas disponíveis entre as nossas 11 licenciaturas.

O Instituto Superior de Engenharia do Porto lança os votos de sucesso académico a todos os candidatos ao ensino superior. Temos 845 vagas disponíveis entre as nossas 11 licenciaturas em diversas áreas da engenharia.

O ISEP é uma escola de inovação, tecnologia e empreendedorismo. Desde 1852 que formamos profissionais para lidarem com o futuro.

Formação com certificação de qualidade europeia Ordem dos Engenheiros+EUR-ACE
Orientação para o mundo-real e forte ligação às empresas
Perspetivas de carreira em áreas com elevado potencial
Integração em redes de investigação e desenvolvimento internacionais
Localização no maior pólo universitário do Porto


Em 2013, o ISEP recebeu mais de duas mil candidaturas às 11 licenciaturas. Prestígio, qualidade e perspetivas de futuro ajudam a perceber porquê.

LICENCIATURAS ISEP (CÓDIGO DE CANDIDATURA)
3 anos (180 unidades ECTS) | Horários diurnos e pós-laborais | Propinas: €950/ano
Engenharia Civil (3135/9089): 80 vagas
Engenharia de Computação e Instrumentação Médica (3135/9495): 26 vagas
Engenharia Eletrotécnica e de Computadores (3135/9112): 150 vagas
Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia (3135/9110): 55 vagas
Engenharia Geotécnica e Geoambiente (3135/9117): 25 vagas
Engenharia Informática (3135/9119): 210 vagas
Engenharia de Instrumentação e Metrologia (3135/9094): 20 vagas
Engenharia Mecânica (3135/9123): 150 vagas
Engenharia Mecânica Automóvel (3135/9936): 35 vagas
Engenharia Química (3135/9125): 54 vagas
Engenharia de Sistemas (3135/8316): 40 vagas

O ensino no ISEP orienta-se para a investigação aplicada à compreensão e solução de problemas concretos. A oferta formativa garante o desenvolvimento de competências e conhecimentos culturais, científicos e técnicos com vista à inovação e exercício profissional.

No final dos três anos da licenciatura, os diplomados ISEP possuem competências reconhecidas pelo mercado de trabalho, podendo solicitar a sua admissão à Ordem dos Engenheiros ou à Ordem dos Engenheiros Técnicos.

Os diplomados ISEP têm ainda garantido o acesso ao mestrado, no ano seguinte à conclusão do curso.

Para esclarecimentos sobre uma candidatura aos cursos do ISEP, por favor contacte-nos.

ver[+]