Estudar

SOMOS ISEP: Gonçalo Norton Lages
12-06-2017

Gonçalo Norton Lages aprendeu desde cedo a importância de uma eficaz gestão de tempo. Fervoroso adepto do associativismo, sempre esteve envolvido em diversas atividades extracurriculares. O estudante do Mestrado em Engenharia Civil mostra-se ainda um convicto entusiasta pela qualidade de ensino do ISEP, ao destacar a proximidade entre o corpo docente e discente, tal como a pluralidade e flexibilidade da oferta formativa existente.

-Porque escolheste o ISEP?

O ISEP é uma instituição de referência, sendo conhecido pela sua forte vertente prática, que combina na perfeição com a minha personalidade. Mais ainda, dispõe da opção de horário noturno, que outras instituições não apresentam, o que foi uma mais-valia ao longo do meu percurso académico.

-Como recordas os primeiros tempos?

Estudei durante 13 anos no Colégio de Nossa Senhora do Rosário, que tem um ambiente controlado e familiar. Entrar no ISEP foi naturalmente uma mudança muito acentuada, foi uma adaptação difícil porque tudo era diferente. Ainda assim, a integração foi rápida: conheci logo muitas pessoas e alguns desses laços ficaram para a vida. O espírito académico no ISEP é muito intenso e, em tempos atribulados como a entrada no Ensino Superior, isso é um fator que ajuda imenso à integração. Hoje em dia, recordo esses momentos iniciais com saudade e nostalgia.     

-O que mais te fascina no teu curso?

A pluralidade e/ou transversalidade das matérias abordadas, bem como das saídas profissionais a que dá acesso. Desde o início do Secundário, que comecei a dedicar uma enorme porção do meu tempo a atividades extracurriculares, das quais se destacam o desporto, o voluntariado e o associativismo. Alguns locais pelos quais passei são bem conhecidos entre a comunidade académica: aeISEP, ISEP.Start – Núcleo de Empreendedorismo do ISEP, AIESEC, Jornal Universitário do Porto, Núcleo de Jornalismo Académico do Porto, Scientia FCUP Junior Enterprise e Just a Change.

-Queres partilhar algum episódio caricato passado no ISEP?

 

Certo dia, estava a almoçar no Campus S. João com dois amigos, quando me lembrei que tinha de me dirigir à Divisão Académica do ISEP para tratar de uns assuntos. Os meus amigos, prestáveis, decidiram acompanhar-me. Pelo caminho encontrámos, num descampado, umas plantas com flor, chamadas Cortaderia, que se assemelham a grandes plumas, com cerca de dois metros, e de coloração branca. Eles acharam boa ideia trazer uns exemplares.Chegada a minha vez para ser atendido na Divisão Académica e, quando me sento na cadeira que me foi destinada, os meus amigos decidiram colocar-se a meu lado, em pé, a abanar as ditas plumas como se eu fosse um importante Xeque das Arábias. Foi hilariante a reação geral das pessoas presentes na sala, que não contiveram o riso durante a nossa permanência. Ainda hoje, soltamos uma grande gargalhada de cada vez que relembramos esse momento.

-Qual a receita para se lidar com a azáfama do quotidiano?

Julgo que tudo parte de fazermos aquilo de que gostamos, de termos objetivos e metas bem traçados, de sabermos planear a nossa vida e o nosso dia-a-dia de forma organizada. A agenda é crucial nesse processo. Sabendo estabelecer prioridades, estando ciente da diferença entre eficácia e eficiência e entre urgente e importante, é meio caminho andado para otimizarmos o nosso tempo. De resto, acredito que com muito empenho e esforço, com calma e concentração, de forma a evitar o stress desnecessário, tudo se consegue. Com o tempo aprendi também a verdadeira importância de ter um refúgio, no meu caso era o desporto. Hoje em dia, tento viajar e sair da rotina sempre que posso. A vida deve viver-se apaixonadamente, afinal de contas só cá estamos uma vez.

-Qual o segredo para o sucesso?

Estarmos rodeados de pessoas que nos apoiam incondicionalmente é um fator de elevado peso na equação para o sucesso. Mas não só. Acreditar em nós próprios é essencial. Temos de ser os primeiros a acreditar na viabilidade e exequibilidade dos nossos planos. Não obstante, é crucial ter os pés bem assentes na terra e encontrar o equilíbrio entre a ambição e a realidade/exequibilidade dos nossos objetivos. Gostar do que fazemos não é tudo, embora seja um fator determinante. Mais importante será saber lidar bem com os momentos altos e baixos da vida. Aponto três características essenciais que são potenciadoras do sucesso: determinação, dedicação e persistência.  

-Que aspetos diferenciam o ISEP?

A qualidade de ensino, a diversidade de oferta formativa e a proximidade ao estudante.

-Qual o melhor canto e recanto desta casa?

A zona afeta à aeISEP, principalmente a sala de convívio, costuma ser o local de eleição dos estudantes, pelo menos nos primeiros anos, e eu não fujo à regra. É lá que têm origem grande parte das minhas memórias académicas.

-Uma ideia para crescermos mais?

Investir na rede de contactos de Alumni. São embaixadores do ISEP, são o cartão de visita do ISEP pelo mundo fora, podem facilmente estreitar as relações do ISEP com o mundo empresarial, e essa ponte é essencial para os estudantes desta casa. Não resisto a deixar mais uma sugestão. Com o turismo em alta no Porto, com os programas de mobilidade a terem cada vez mais adesão, acredito que seria muito vantajoso se o ISEP apostasse nos programas de mobilidade e projetos internacionais, quer para discentes quer para docentes. Certamente, o acesso a esta multiculturalidade iria exponenciar os resultados do Instituto.

Perfil?

Cinema: O filme “A Vida é Bela”.

Literatura: Os autores José Rodrigues dos Santos e Dan Brown.

Música: Coldplay e U2.

Viagem de sonho: Sou modesto, queria uma volta ao mundo! Mas contentava-me com as Ilhas Fiji.

Gastronomia: Francesinha e sushi.

Lazer: Convívio com os amigos.

Desporto: Como bom portuense, sou do F.C.Porto. Sempre pratiquei desporto, dediquei muitos anos às artes marciais, mas desde que deixei de combater optei pela corrida e padel.

Se pudesse mudar o mundo: Tal como Malala Yousafzai, jovem que em 2014 foi Prémio Nobel da Paz, acredito que a educação pode mudar o mundo e é por aí que devemos começar. Nunca devemos baixar os braços, todos nós podemos mudar o mundo, nem que seja uma ínfima parte dele.

Filosofia de vida: Aproveitar o dia como se não houvesse amanhã.

ISEP numa palavra: Engenho.

A rubrica SOMOS ISEP pretende dar a conhecer alguns dos rostos que integram a nossa comunidade. Sendo muito mais do que uma instituição de Ensino Superior, o ISEP é também uma segunda casa para milhares de pessoas. Estudantes, docentes e colaboradores enriquecem diariamente o Instituto. Este novo espaço destina-se, assim, a cada um dos membros da família ISEP.