Estudar

SwITch aposta em requalificação das competências I&T
03-05-2017
switch_zona1.jpg

O programa swITch – primeira ‘prova de conceito’ de uma pós-graduação na área das tecnologias de informação e comunicação – é apresentado no dia 4 de maio, às 18.30 horas, na Câmara Municipal do Porto (CMP), com a presença do vice-presidente do ISEP, José Carlos de Oliveira. Esta oferta formativa resulta da parceria entre o Instituto e a Associação Porto Tech Hub, tendo o apoio da CMP.

O swITch vai arrancar no próximo ano letivo e dirige-se, essencialmente, a licenciados, mestres ou doutorados atualmente desempregados, ou em situação de subemprego, das áreas de ciências, tecnologias, engenharias e matemática. Pretende-se colmatar, assim, o défice de conhecimentos ao nível, por exemplo, da programação ou doutras competências digitais sentidas por várias empresas da região do Grande Porto.

O curso inclui dois semestres de formação no ISEP e um estágio remunerado de um ano numa empresa. Durante 35 horas por semana, os formandos beneficiarão do método Project-Based Learning e Scrum (em equipa); cada turma terá um projeto dado por uma empresa do Porto Tech Hub e sprints quinzenais de análise do trabalho desenvolvido. A componente de formação confere a atribuição de um diploma de curso de especialização em Desenvolvimento de Software com 60 ECTS.

Os objetivos passam ainda por dotar os formandos com capacidades de análise dos requisitos de um cliente e a resposta adequada, tal como a aplicação das melhores tecnologias e práticas do mercado, perspetivando-se o alcançar de elevados níveis de produtividade e qualidade. Para além disso, o curso deverá ser suficientemente abrangente de forma a incluir indivíduos com um nível mais básico de conhecimento, mas também componentes específicas de programação e várias linguagens informáticas.

O swITch será inicialmente lecionado no Porto, contudo poderá estender-se a outros pontos do País. Para além da pretensa resposta a necessidades reais sentidas pelas empresas, a componente teórica aliada à forte parte prática e laboratorial permitirá capacitar e, consequentemente, valorizar os formandos em contexto de mercado de trabalho. É expectável que, todos os anos, saiam do ISEP cerca de cem profissionais habilitados para acompanhar a constante evolução do setor das tecnologias de informação e comunicação.